Lei de Incentivo Federal Paralímpico

RJPS está certificado e seu projeto aprovado pela Lei Federal de Incentivo ao Esporte para captação de recursos de IR de empresas interessadas em patrocinar o clube

07/12/2020

Iniciativa visa ampliar as condições de treino e realização de eventos e participações em campeonatos no ano de 2021

Rio de Janeiro Power Soccer recentemente teve seu primeiro Projeto de Lei Federal de Incentivo aprovado pela Secretaria Especial do Esporte, vinculado ao Ministério da Cidadania. Com esta liberação, o clube está apto a captar cotas a partir de R$ 255.000,00 para desenvolver as modalidades, atualmente futebol em cadeira de rodas e bocha paralímpica, durante o ano de 2021.

“O clube nasceu de um sonho do meu filho Lucas em jogar futebol. Corremos atrás para formar uma equipe e, claro, como estávamos começando, o apoio de amigos e familiares foi fundamental para chegarmos até aqui”, relembra Bruno Fernandes, Presidente e Fundador do Rio de Janeiro Power Soccer.

Leia mais

Rio Power Soccer retoma treino presencial de bocha após 33 semanas

01/11/2020

231 dias. 33 semanas. Sete meses e 17 dias. Esse foi o tempo em que a equipe de bocha paralímpica do Rio de Janeiro Power Soccer treinou por videoconferência durante o período mais crítico da pandemia da Covid-19. O retorno aos treinos presenciais aconteceu no último dia 24 de outubro na quadra do CIAGA (Centro de Instrução Almirante Graça Aranha), na Zona Norte da cidade, com a presença de quatro atletas e o cumprimento de todos os protocolos de segurança.

Leia mais

2ª edição do Boccia Battle teve participação de Rio Power Soccer, ADD e SDPD- Barueri

03/09/2020

Depois do sucesso da 1ª edição, o próximo Torneio Boccia Battle teria que ser ainda mais desafiador. E assim foi. Junto com as equipes ADD Bocha e SDPB-Barueri, ambas de São Paulo, o RJPS Bocha reuniu 25 atletas para um inédito torneio online interclubes de bocha paralímpica. A competição aconteceu durante o mês de agosto com os atletas conectados ao aplicativo que leva o nome do torneio – além de muitoooooo papo pelo WhatsApp. Interatividade, diversão e frio na barriga como aquele que dá antes da entrada na quadra. Essas formam as principais sensações descritas pelos atletas. “O torneio online possibilitou um momento de lazer em meio a essa pandemia que estamos passando. Muitos não se conheciam, foi um sopro de ânimo para todos que estão em casa há quase seis meses. Deu para matar um pouco a saudade da modalidade e reviver o clima de competitividade”, comenta Melissa Macedo, técnica da classe BC3 do RJPS e idealizadora do torneio. As palavras da Melissa se repetem nas avaliações de Panda Sene, técnico da ADD, e de Caio Oliveira, coordenador e técnico do SPDB-Barueri, parceiros neste torneio. Para Panda, a competição interclubes foi importante para mostrar que independente da classe, a bocha é uma modalidade de muito trabalho mental e que o jogo precisa ser muito pensado. O Boccia Battle reproduz virtualmente as situações de jogo que acontecem em um jogo convencional com a presença dos atletas na cancha e isso traz para muitos atletas a ansiedade que sentem antes de seus jogos na câmara de chama. “Embora o torneio tivesse como objetivo a interação entre os atletas, a vontade de vencer existe no sentimento de cada um. Pude perceber isso de um atleta que, atento para desempenhar um bom papel durante o jogo, cuidou dos mínimos detalhes, seguindo um ritual de preparação que atletas de alta performance carregam”, conta Caio Oliveira, responsável pela modalidade na equipe de Barueri. Entre os 25 participantes, tinham atletas novatos que nunca participaram de um jogo. Melissa Macedo cita o caso de Nathalia Silva, que ainda nem conhece seus companheiros de equipe porque ingressou no Rio Power Soccer durante a pandemia, e o 2º Boccia Battle significou o retorno à modalidade. O aplicativo veio para ser um facilitador no processo de ensino e aprendizagem. E no meio do caminho também surgem novas situações que só com o tempo e aprendendo uma nova forma de conhecer os atletas é que os técnicos vão saber lidar. “Alguns atletas me mandavam mensagens perguntando sobre os outros atletas e isso era engraçado porque como técnico eu não sabia muito o que dizer, pois isso de “dar dicas” sobre os atletas antes dos jogos a gente faz presencial por conhecer como alguns jogam, mas virtual para eu como técnico era só torcer mesmo, esperando que se divertissem e pudesse interagir com outros atletas tendo as mesmas sensações de um jogo presencial”, confessa Panda. A competição terminou com o pódio (virtual), mas todos ganharam atletas, professores e as equipes de forma geral. “Sem o trabalho dos professores e a dedicação deles com os atletas não seria possível a gente manter à […]

Leia mais

Atletas de bocha de RJPS vão participar de um torneio online

11/06/2020

Dá pra jogar bocha por aplicativo de celular. Com o Boccia Battle é possível jogar contra o próprio aplicativo ou com outras pessoas mesmo que não estejam no mesmo lugar, basta estar conectado à internet. Depois de quase três meses em casa treinando com o acompanhamento das técnicas por videoconferências, essa foi uma forma encontrada pela Melissa Macedo, técnica responsável pela classe BC3 do Rio de Janeiro Power Soccer, para trazer o espírito competitivo à tona aos 14 atletas do time. Os atletas e a comissão técnica têm encontros semanais, rotina de treino intensa e prestação de contas, por vídeo, das orientações. Tem até videochamada para acompanhar treino ‘on time’. Mas, com o calendário de 2020 suspenso, a saída para se manter motivado foi criar uma competição virtual. A fase de grupos começa neste sábado, 13. Será interclasses e os atletas podem combinar entre si o melhor horário para começar o confronto. Ao terminar a partida, os atletas precisam enviar um print da tela para a comissão técnica, que irá comunicar os jogos da próxima fase. A previsão é que dure por uma semana e o primeiro lugar irá ganhar uma camisa oficial do time. “Além de uma forma de lazer, alguns games quando utilizados com um propósito bem definido podem ser utilizados como ferramenta pedagógica. O torneio irá proporcionar interação, uma maior aproximação da cultura digital e possibilitar maior noção sobre a prática da bocha. E ainda vamos conseguir fazer isso de forma diversa sem restrição de classes, comenta Melissa Macedo, que descobriu o app num grupo de whatsapp em que participa com outros técnicos de bocha de todo o país. O chaveamento ficou assim:

Leia mais

Atleta do Rio de Janeiro Bocha conquista ouro nas Paralimpíadas Escolares

21/12/2019

O atleta Lucas Dutra Fernandes, do Rio de Janeiro Bocha, conquistou o ouro durante as Paralimpíadas Escolares, que foram realizadas no Centro Paralímpico de São Paulo, ente os dias 18 e 23 de novembro.  A medalha dourada, conquistada na última sexta-feira (22), foi a primeira da carreira de Lucas e a primeira de um atleta do clube na categoria BC3, da qual ele faz parte e é disputada por atletas que fazem o uso de calha e tem a ajuda de um calheiro para direcionar as bolas. Desde que começou a praticar a modalidade no início do ano, Lucas sempre teve o sonho de se destacar no esporte a exemplo do que já faz no Futebol em Cadeira de Rodas, no qual é considerado um dos melhores do país. Para ele, a confiança em si e no técnico, o foco e a disciplina foram determinantes para que pudesse chegar ao primeiro lugar. “Ouvir bastante o técnico fez muita diferença, porque eu cheguei lá ainda muito novo no esporte. Então tive que ouvir tudo que ele falava, as críticas e o que ele achava que eu poderia melhorar para que eu pudesse absorver e aplicar nas partidas seguintes. Ter ganho a medalha me deixou bastante orgulhoso, porque foram muitas horas de treino e eu estava jogando com os melhores atletas brasileiros de até 17 anos e me fez ver que eu posso muito mais do que eu imagino”, afirma Lucas. A conquista também fez a família Fernandes ficar ainda mais unida, já que o calheiro de Lucas era seu pai, Bruno Fernandes. Durante a competição, Bruno teve a responsabilidade de posicionar a calha e as bolas dentro dela seguindo fielmente as orientações de Lucas, não podendo interferir em suas decisões e nem visualizar a quadra, necessitando ficar de costas para o jogo durante todo o tempo. Para ele, a conquista do filho é motivo de muita felicidade para ele e destaca o distanciamento do jogo como fator mais difícil.     “Esta questão é importante pois no jogo sai o pai e entra o calheiro que não pode falar nada e obedece vários comandos do atleta sem poder vê o jogo: direção, altura, tipo de bola, comprimento da antena, entre outros obstáculos. Mas temos Temos que ser profissionais e tenho muito orgulho do seu desenvolvimento. Após as partidas o pai volta para dar aquele gostoso abraço”, comemora Bruno. Lucas participou do evento representando a Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude. Além dele, também integraram a equipe de bocha, Pedro, também do Rio de Janeiro Bocha, as atletas Ingrid e Julia, do clube Otimismo. O time foi comandado pelo técnico Ednaldo. O atleta Lucas Dutra Fernandes, do Rio de Janeiro Bocha, conquistou o ouro durante as Paralimpíadas Escolares, que foram realizadas no Centro Paralímpico de São Paulo, ente os dias 18 e 23 de novembro.  As Paralimpíadas Escolares são realizadas há 10 anos e reuniram mais de 1.200 estudantes. Além da bocha, também foram disputadas outras 11 modalidades: atletismo, basquete em cadeira de rodas (formato 3×3),  futebol de 5 (para cegos), futebol de 7 (para paralisados cerebrais), goalball, judô, natação, parabadminton, […]

Leia mais